A INCLUSÃO DO PNE NAS EMPRESAS

A Inclusão do PNE nas empresas

Por mais que a sociedade esteja lutando para que a pessoa com deficiência desfrute com igualdade dos mesmos direitos que as pessoas sem deficiência, ainda percebemos em pleno século 21, que a maioria das pessoas ainda apresenta desinformação e/ou preconceito, procedente, em grande parte das gerações passadas e do aprendizado cultural. 

A contratação de pessoas com deficiência envolve responsabilidade social. Apesar deste conceito crescer, a cada dia, ainda temos inúmeras empresas que praticam a integração, em vez da inclusão.
Na integração, a pessoa com deficiência tem que se adaptar a sociedade como ela é. Já na inclusão, tanto a pessoa com deficiência como a sociedade adaptam-se simultaneamente.

Primeiramente é necessária uma descrição do cargo a ser exercido, avaliação das deficiências que se adequam às exigências da vaga e condições estruturais e psicológicas que a empresa oferece, para que seja contratada a pessoa que possa desenvolver as atividades pertinentes a função de forma satisfatória a ambas as partes.

Na entrevista o selecionador deve agir de forma natural, sem persuadir o candidato por sua deficiência. Perguntas são essenciais, mas questões em demasia sobre um mesmo assunto podem causar desconforto ao entrevistado. 

Contamos com legislações que garantem às pessoas com deficiência direito à educação, à comunicação, aos serviços públicos, ao transporte, à saúde e ao trabalho. Dentre elas, temos a Lei de Cotas (8213/1991), que impõe a obrigatoriedade às empresas com mais de 100 empregados de terem de dois a cinco por cento de pessoas com deficiência no quadro de funcionários, conforme o número total de colaboradores. No entanto, o resultado de uma pesquisa mostrou que quase 70% dos gestores apresentam resistências ao entrevistar pessoas com deficiência, pois não pensam que antes de ser um profissional com deficiência, ele é um candidato normal, um profissional como qualquer outro que possui direitos, mas também tem seus deveres.

Um case de sucesso, que é um exemplo de superação, é de uma pessoa que tem ausência total do membro superior, trabalhar como caixa em um banco e ser o mais rápido da agência. É de extrema importância que a análise da deficiência versus a função seja realizada junto com o candidato para não haver enganos do selecionador ou do gestor por achar que ele não pode fazer tal atividade 

Mas, como deve acontecer o processo de integração do deficiente que é contratado por uma empresa? A recomendação é preparar o ambiente de trabalho com as adaptações que cada profissional necessitar, preparar o time e o gestor através de sensibilizações, para que não haja tratamento diferenciado que gere a exclusão ao invés da inclusão desse profissional. 

Agregar pessoas com deficiência a equipe pode trazer diversos benefícios para a organização, elas são: 
  • Aperfeiçoamento no processo de contratação, esse aprendizado para o RH é fundamental, proporciona crescimento profissional e mais eficiência no processo de recrutamento e seleção da empresa. 
  • Melhoria da acessibilidade e adaptação, os eventos que forem organizados serão mais acessíveis a todos, trazendo uma imagem positiva para a empresa e possibilitando uma ampliação do acesso à sede da corporação. 
  • Aprendizagem humanística para os funcionários, cooperação e valorização dos colegas são excelentes aprendizados que uma PCD pode trazer para seus colaboradores. 
  • Os profissionais podem aprender mais sobre inclusão e ajuda mútua, valorizando a importância da participação de todos no bom desempenho nos negócios. 
  • Conhecimento da pessoa com deficiência como consumidor, com isso, você poderá observar preferências, gostos, necessidades e traços que só quem tem a experiência de ser um PCD poderá mostrar. Isso proporciona uma visão mais estratégica, que abarca um mercado consumidor muito amplo e em busca de recursos que sejam adequados para suas demandas. Estímulo à cooperação, a pessoa com deficiência muitas vezes é independente e desenvolve estratégias para lidar com as dificuldades do cotidiano. Mas incentivar a equipe a ajudá-la quando necessário — por exemplo, eventualmente buscar papéis na impressora para um profissional que seja cadeirante, auxiliar na mobilidade em rampas — pode desenvolver um ótimo senso de solidariedade na equipe. 
  • Melhoria da imagem da empresa, contratar PCDs apenas para passar uma boa impressão é uma medida antiética e acaba não sendo efetivo, pois a empresa acabará tratando-os com descaso. Em algum momento, o problema é percebido e a boa imagem é perdida. 
  • Contratação de profissionais maduros, uma pessoa que tem deficiência em geral acaba desenvolvendo uma boa habilidade para lidar com frustrações. Isso porque a PCD enfrenta muitos obstáculos no cotidiano, seja com mobilidade ou por ser privado em algum sentido. Conhecimento de exemplos de superação, a PCD em geral é um exemplo para os outros colaboradores, por enfrentar tantas dificuldades buscando sua independência e realização profissional. A história de alguém com necessidades especiais pode nos ensinar muito, mostrando como é possível superar os problemas e construir uma trajetória positiva. Com esses exemplos, toda a equipe ficará mais motivada e mobilizada para buscar soluções e se empenhar no cotidiano de trabalho.
As principais dificuldades que os selecionadores podem encontrar são a falta de qualificação e insegurança para realizar esses processos seletivos. Temos o baixo nível de escolaridade, os transportes inacessíveis, a falta de estímulo ou a superproteção da família, a insegurança em “abrir mão” do benefício, e o preconceito dos empregadores. Por isso, é fundamental sensibilizar o gestor sobre as potencialidades das pessoas com deficiência.

No entanto, as organizações devem mais que cumprir cotas, elas precisam incluí-los não somente na empresa, como também na sociedade; assim aquele que tiver a responsabilidade de recrutar e selecionar um portador de necessidades especiais a uma vaga, além de estar preparado, este deverá transmitir o valor da organização em querer agrega-lo. 

Seja conveniente e autêntico no feedback aos candidatos, eles precisam de retorno, já que sendo bom ou ruim podem reavaliar a si mesmos para outras possíveis oportunidades. Se por suas limitações naturais, de forma respeitável explique o porquê, afinal todos nós, seres humanos, somos passíveis de limitações.
A INCLUSÃO DO PNE NAS EMPRESAS A INCLUSÃO DO PNE NAS EMPRESAS Reviewed by Ana Maria on 11:27 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.